SPORTING 0 - Académica 0







Faltou sorte

O Sporting recebeu a Académica e não foi além de um empate a zero. Depois de uma primeira parte fraca, os «leões» tudo fizeram para conquistar os três pontos, mas a actuação do guarda-redes contrário, a falta de pontaria dos avançados «leoninos» a falta de sorte em alguns lances, impediu que o Sporting vencesse a última partida oficial de 2008.

Para a recepção aos estudantes, a contar para a 12.ª jornada da Liga Sagres, Paulo Bento fez alterações em todos os sectores da equipa, relativamente ao «onze» que entrou para o encontro da Taça da Liga, frente ao Marítimo. Assim, saíram Tiago, Miguel Veloso, Adrien, Vukcevic e Yannick Djaló, para dar lugar a Rui Patrício, Caneira, Rochemback, Romagnoli e Postiga.

Devido a estas alterações, ou não, o que é facto é que o Sporting não entrou muito bem no jogo, perdendo algumas bolas durante as transições para o ataque, dando oportunidade à equipa de Domingos Paciência para contra-atacar com algum perigo. No entanto, as redes de Rui Patricío nunca estiveram em perigo durante a primeira parte.

Já das redes de Peskovic, não se pode dizer o mesmo; depois de cumpridos os primeiros (fracos) vinte minutos de jogo, os «leões» reagiram e aceleraram o ritmo, não dando espaço, nem tempo, para que o adversário saísse para o ataque. Ao mesmo tempo, as jogadas de perigo para a baliza academista sucediam-se (a mais flagrante saiu dos pés de Izmailov, aos 39 minutos), criando, no Estádio, a impressão de que o primeiro golo estava quase a aparecer. Até ao intervalo, não apareceu e, pelo que o Sporting não fez nos primeiros vinte minutos, o nulo era um resultado que se aceitava.

Para a segunda parte, o treinador «verde e branco» fez entrar Miguel Veloso para o lugar de Caneira, na tentativa de dar mais profundidade ao flanco esquerdo dos «leões», mas era no flanco contrário, ora com Moutinho e Abel, ora com Izmailov e o lateral, que o Sporting criava grande parte das suas - várias - jogadas de perigo. Só a entrada de Vukcevic veio alterar as coisas, passando o Sporting a atacar a toda a largura do terreno.

Quando faltavam pouco mais de 15 minutos para o final do encontro, os nervos começaram a tomar conta das bancadas... e do árbitro que, por qualquer motivo, apitava faltas que não existiam, mostrava cartões desnecessários e, acima de tudo, não via bem. Exemplo disso, foram os dois pontapés de baliza que assinalou, quando deveria ter assinalado pontapé de canto a favor dos «leões».

No meio de tantos nervos, os jogadores do Sporting foram os únicos que mantiveram a serenidade, acreditando até ao último minuto que o golo surgiria e, por diversas situações, quase surgiu, mas Peskovic esteve inspirado e a pontaria dos avançados «leoninos», desafinada.

Liga Sagres - 12.ª Jornada
2008-12-20 - Estádio José Alvalade
Árbitro: Cosme Machado
Árbitros assistentes: Alfredo Braga e Paulo Vieira.
Ao intervalo: 0-0
Sporting - Rui Patrício, Carriço, Polga, Caneira (Miguel Veloso, 45 m), Abel, Rochemback, Moutinho, Romagnoli (Vukcevic, 64 m), Izmailov (Yannick Djaló, 78 m), Liedson e Postiga.
Treinador: Paulo Bento.
Não utilizados: Tiago, Pedro, Silva, Adrien e Tiuí.


Académica - Peskovic, Pedrinho, Orlando, Luiz Nunes, Pedro Costa, Pavlovic, Cris, Miguel Pedro (Nuno Piloto, 82 m), Diogo Gomes (Tiero ,72 m), Éder e Lito (Lica, 68 m).
Treinador: Domingos Paciência.
Não utilizados: Rui Nereu, Madej, Carlos Aguiar e Edson.
Disciplina: cartão amarelo a Postiga (53 m), Liedson (67 m) e Carriço (90+2); Eder (46 m), Pedro Costa (62 m) e Peskovic (75 m).

SPORTING 3 - Maritimo 0









Classe marca a diferença

O Sporting entrou de pé direito na Taça da Liga, batendo o Marítimo em Alvalade, por 3-0, com golos de Yannick Djaló, Liedson e Romagnoli.

Na formação verde e branca, Paulo Bento deu minutos a Adrien e Vukcevic e voltou a chamar Liedson para a frente de ataque, fazendo dupla com Yannick Djaló. Os «leões» chegaram ao intervalo a vencer por 1-0, numa primeira parte disputada em ritmo lento e sem grande oposição do Marítimo.

Os «leões» até entraram com vontade de resolver o jogo cedo, dispondo de duas ocasiões flagrantes para abrir o activo. Izmailov num belo movimento causou o primeiro frisson em Alvalade, com um remate cruzado ao poste e pouco depois foi Liedson a confirmar o sinal mais do Sporting. Contudo, a equipa «leonina» demorou a criar mais perigo e foi menos pressionante sobre a bola, aproveitando o Marítimo para equilibrar as operações com a velocidade de ponta de Manú e Babá, a escolha de Lori Sandri face à ausência de Djalma na frente de ataque. Salvou-se o golo de Yannick Djaló (segundo jogo consecutivo a marcar), ao minuto 36, após assistência de Moutinho.

No segundo tempo, o Sporting soube dar maior consistência ao seu processo ofensivo e, com o Marítimo a arriscar um pouco mais, acabou por ser a classe de Liedson a fazer toda a diferença, na sequência de um contra-ataque rápido e assistência de Djaló para um chapéu perfeito do 31 do Sporting. Com o jogo decidido, Paulo Bento aproveitou para trocar Abel por Caneira e Adrien por Romagnoli, isto depois de já ter colocado Rochemback no lugar de Vukcevic. No último lance do jogo, os «leões» acentuaram o resultado, numa bela jogada colectiva, com Yannick de novo em destaque e Liedson a solicitar Moutinho para o golo do argentino Romagnoli.

O Sporting alcançou assim a primeira vitória no Grupo B da Carlsberg Cup, deslocando-se na próxima jornada a Vila do Conde para defrontar o Rio Ave.

Ficha de Jogo

Taça da Liga – Carlsberg Cup – 3ª fase – 1ª jornada
2008-12-14
Estádio José Alvalade
Árbitro: Carlos Xistra (Castelo Branco)
Árbitros assistentes: Celso Pereira e Jorge Cruz.
Ao intervalo: 1-0


Sporting: Tiago; Abel (Caneira, 71 m), Daniel Carriço, Polga, Miguel Veloso, Adrien (Romagnoli, 75 m), Izmailov, Vukcevic (Rochemback, 59 m), João Moutinho, Yannick Djaló e Liedson.
Treinador: Paulo Bento
Suplentes não utilizados: Rui Patrício; Ronny, Tiuí e Hélder Postiga.

Disciplina: Cartão amarelo para Caneira (85 m).
Golo: Yannick Djaló (37 m), Liedson (70 m) e Romagnoli (90+2 m).


Marítimo: Marcelo Boeck; Paulo Jorge (Víto Júnior, 49 m), Fernando Cardozo, Van der Linden, João Guilherme, Bruno, Olberdam, Miguelito, Marcinho (Pedro Moutinho, 73 m), Babá e Manú.
Suplentes não utilizados: Bruno Grassi; Bruno Fogaça, Luís Olim, João Luiz e Briguel.

Disciplina: Cartão amarelo para Manú (41 m) e João Guilherme (78 m).

Basileia 0 - SPORTING 1



Venham os oitavos-de-final!

Na época em que se qualifica, pela primeira vez, para a fase seguinte da prova, o Sporting conseguiu o seu 12.º ponto na fase de grupos, graças à vitória em Basileia (1-0). Yannick (18 m) marcou o golo «solitário».

Com o apuramento decidido para os oitavos-de-final da competição, os regressos de Tiago à Liga dos Campeões – estreou-se na competição em 97/98 – e de Vukcevic ao «onze» inicial, foram as principais novidades das escolhas de Paulo Bento que teve na dupla Yannick/Derlei os dois avançados.

A partida iniciou-se com o Sporting em cima do Basileia, num regresso a um estádio onde venceu por 3-0 na época passada em jogo a contar para a Taça UEFA, e foi sem qualquer surpresa que chegou à vantagem, aos 18 minutos, por Yannick Djaló, quando o atacante formado em Alvalade foi o mais lesto, no coração da área, a reagir ao cruzamento de Marat Izmailov, no corredor direito.

O Basileia reagiu – Huggel remata com perigo ao lado (24 m) – e conseguiu pontapés de canto consecutivos, mas foi o Sporting (33 m) que esteve realmente perto de voltar a marcar, de novo por Yannick Djaló, num remate à meia-volta que saiu às malhas laterais. Vukcevic saiu de maca aos 41 minutos, pisado no tendão de Aquiles por Huggel, sendo substituído por Abel – passando Pereirinha para interior direito – com o regressado de lesão a ficar, devido à chuva forte e - por vezes neve – que caiu ao longo da partida, durante o intervalo a aquecer. No regresso dos balneários, Adrien Silva rendeu Pereirinha e colocou-se como médio defensivo, passando Rochemback para interior direito, Izmailov, na esquerda e Moutinho na dupla função de 10 e fechar no corredor central.

Tacticamente, a equipa «leonina» recuou um pouco o seu bloco de meio-campo, procurando espaços para lançar ataques rápidos e, sobretudo, controlar os ritmos de jogo, perante um adversário que insistiu em cruzamentos para a área, quase sempre infrutíferos, para o atento Tiago, que apenas teve de se aplicar, aos 73 minutos, num remate frontal e rasteiro de Frei. No minuto seguinte, Yannick correu velozmente 50 metros, caindo, à entrada da área, quando se preparava para rematar, com o árbitro a não assinalar a respectiva falta do defesa suíço.

O Basileia foi tentando, aos repelões, chegar ao empate, com Stocker (80 m) a rematar para defesa apertada de Tiago, num dos vários remates que a equipa da casa realizou no último quarto de hora europeu da sua época.

Em suma, foi uma vitória «leonina» que, após chegar à vantagem, geriu o tempo e o esforço numa partida em que estava apenas o prestígio e os euros em discussão.

Basileia, 0
Costanzo; Morganella, Marque, Ferati e Safari; Huggel, Ergic, Frei (Perovic, 77 m) e Carlitos; Chipperfield (Stocker, 45 m) e Streller (Derdiyok, 65 m) . Treinador: Christian Gross. Suplentes não utilizados: Stockli, Almerares, Eduardo e Mustafi. Disciplina: cartão amarelo a Streller (45 m).


Sporting, 1
Tiago; Bruno Pereirinha (Adrien Silva, 45 m), Daniel Carriço, Anderson Polga e Caneira; Fábio Rochemback (Miguel Veloso, 72 m), João Moutinho, Marat Izmailov e Simon Vukcevic (Abel, 42 m); Yannick Djaló e Derlei. Treinador: Paulo Bento. Suplentes não utilizados: Ricardo Baptista, Hélder Postiga, Ronny e Rodrigo Tiuí. Disciplina: cartão amarelo a Caneira (71 m) Golo: Yannick Djaló (18 m).


6.ª Jornada da Fase de Grupos da Liga dos Campeões.
09/12/2008 – Estádio St. Jakob, em Basileia.
Árbitro: Paul Allaerts (Bélgica).
Árbitros Auxiliares: Walter Vromans e Michael Keyens.
Resultado ao intervalo: 0-1.

Amadora 1 - SPORTING 3




Terceira vitória consecutiva


O Sporting conquistou a terceira vitória consecutiva, em jogos a contar para a Liga Sagres, ao derrotar, na Reboleira, a formação do Estrela da Amadora. Os «leões» entraram a perder, Izmailov empatou aos dez minutos e, na segunda parte, Liedson e o regressado Simon Vukcevic fizeram o resultado com que o jogo terminou.

Para a visita ao Estádio José Gomes, Paulo Bento optou por manter Daniel Carriço no eixo da defesa, ao lado de Anderson Polga, com o resto da defesa a ser composta por Bruno Pereirinha, à direita, e Grimi à esquerda. No meio-campo, o técnico «leonino» colocou Rochemback como médio interior direito, Izmailov na esquerda, Moutinho a «dez» e Veloso no vértice mais recuado do losango. Na frente, manteve a dupla formada por Liedson e Postiga.

O Sporting até entrou melhor no encontro mas, logo aos cinco minutos, e na primeira vez que o Estrela saiu para ataque, marcou. Na recarga a um remate de Varela, Anselmo fez o 1-0. No minuto seguinte, os «leões» tentaram o empate mas o remate de João Moutinho foi directamente para as mãos de Nélson - parecia que a formação «leonina» não ficara afectara com o golo sofrido... e pareceu bem; aos nove minutos, depois de uma jogada entre Grimi e Moutinho, Izmailov, no interior da área, fez o que quis e igualou a partida.

Como empate alcançado, a turma «verde e branca» abrandou o ritmo e, por duas ocasiões, quase voltou a sofrer um golo - Anselmo ao poste (20 m) e uma grande defesa de Patrício (29 m) a remate de Celestino - mas nem por isso deixava de atacar e criar perigo para a baliza amadorense, com os lances mais perigosos a sairem dos pés de Rochemback (15 m) e Liedson (42 m), com o último a dar sensação de golo aos, cerca de 1500, adeptos «leoninos» presentes na Reboleira.
Quando Paulo Costa apitou para o intervalo, o empate aceitava-se.

Tal como na primeira parte, a segunda começou com um golo, desta feita do Sporting. Liedson - pois claro - respondeu da melhor maneira a um cruzamento de Fábio Rochemback e, de cabeça, fez o segundo golo «leonino».

Durante cinco minutos, ainda se notou uma reacção da equipa da casa; depois, o Sporting tomou conta dos acontecimentos, criando sucessivas situações para dilatar a vantagem mas, ora por mérito do guarda-redes adversário, ora por falta de pontaria dos dianteiros «leoninos», isso só aconteceu à passagem do minuto 77. Apenas dois minutos depois de entrar, após longa ausência dos relvados, Simon Vukcevic fez o terceiro golo «verde e branco», no mesmo estádio onde, há pouco mais de um ano, se estreou a marcar pelo Clube.

A partir de então, e até ao apito final, o Sporting controlou os acontecimentos, mas continuou a criar situações para marcar, mas o marcador não mais se alterou.

Liga Sagres, 11.ª jornada
Estádio José Gomes, Amadora.
Árbitro: Paulo Costa (Porto)
Árbitros assistentes: Vítor Carvalho e Nuno Manso.
Ao intervalo: 1-1

E. AMADORA - Nélson; Hugo Gomes, Hugo Carreira, Nuno André Coelho, Moreno, Fernando Alexandre (Celsinho, 63 m), Vidigal, Celestino, Ndiaye (Jardel, 75 m), Anselmo e Silvestre Varela.
Não utilizados: Filipe Mendes, Filipe Figueiró, Marcelo Goianira, Vítor Vinha e Rui Varela.
Treinador: Lázaro Oliveira.


SPORTING - Rui Patrício; Pereirinha, Daniel Carriço, Polga, Grimi (Caneira, 22 m), Miguel Veloso, Rochemback, Izmailov (Pedro Silva, 80 m), João Moutinho, Postiga (Vukcevic, 75 m) e Liedson.
Não utilizados: Ricardo Batista, Ronny, Adrien e Yannick.
Treinador: Paulo Bento.


Disciplina: cartão amarelo a Celestino (34 m), Ndiaye (38 m), Moreno (72 m), Vidigal (82 m); Miguel Veloso (40 m) e Izmailov (58 m).
Golos: Anselmo (5 m); Izmailov (9 m), Liedson (50 m) e Vukcevic (77 m).

SPORTING 2 - Guimarães 0





Vitória sem contestação


O Sporting venceu o Guimarães por 2-0, num jogo resolvido cedo e de forma eficaz pela equipa «leonina» ainda na primeira parte.

A entrada forte e pressionante dos «leões» na partida, querendo apagar a má imagem deixada ante o Barcelona, foi o tónico essencial para vencer um adversário incómodo e aguerrido.

Com muitas baixas por lesão, Pereirinha foi o escolhido para ocupar o lugar de defesa direito, ficando o sector recuado com Polga e Carriço no eixo e Grimi a lateral-esquerdo. No miolo, Veloso, Moutinho e Izmailov como interiores, e Romagnoli, voltando a dupla goleadora, Liedson e Postiga, para a frente de ataque.

No Guimarães, Cajuda abdicou de um ponta-de-lança fixo, deixando Desmarets como referência na frente, Marquinho e Nuno Assis, em apoio nos flancos. Surpresa na defensiva, com a estreia absoluta de júnior Vítor Bastos ao lado de Gregory e um meio campo musculado a cargo de Flávio Meireles, Wénio e João Alves.

Tantas vezes se fala da falta de eficácia que, desta feita, o Sporting teve um aproveitamento cem por cento das oportunidades. Em duas ocasiões, dois golos. Primeiro por Postiga, após excelente abertura de Moutinho, depois por intermédio de Liedson, na sequência de um grande passe de Romagnoli.

O Guimarães só reagiu aos 35 minutos, quando Marquinho apanhou a defesa «leonina» descompensada, mas atirou longe da baliza de Patrício.

No segundo tempo, a formação verde e branca apostou na gestão do resultado, sendo menos expedito a lançar o ataque, enquanto o Vitória procurava – com a entrada de Roberto – acercar-se com mais perigo do último reduto do Sporting.

Com poucas chances de golo, dois livres perigosos de Ronny, um remate cruzado de Izmailov e um golo não validado a Postiga, podiam ter dado uma vantagem mais gorda aos «leões», num jogo onde foram claramente superiores.

Uma vitória que mantém o Sporting na peugada da liderança, antes da deslocação ao terreno do Estrela da Amadora.

LIGA SAGRES – 10ª jornada
Estádio José Alvalade
2008-11-30

Árbitro: Duarte Gomes (Lisboa).
Árbitros assistentes: José Lima e Pedro Garcia.
Ao intervalo: 2-0

SPORTING – Rui Patrício; Pereirinha, Polga, Daniel Carriço, Grimi (Ronny, 62 m), Miguel Veloso, João Moutinho, Izmailov, Romagnoli (Adrien, 86 m), Hélder Postiga e Liedson (Tiuí, 90+2 m).
Treinador: Paulo Bento.
Suplentes não utilizados: Tiago; Yannick Djaló, Pedro Mendes e Cédric Soares.

Disciplina: Cartão amarelo para Grimi (60 m).
Golo: Hélder Postiga (7 m) e Liedson (20 m).


V. Guimarães – Nilson; Andrezinho, Gregory, Vítor Bastos (Roberto, 45 m), Momha, Wénio, Flávio Meireles (Carlitos, 64 m), João Alves, Nuno Assis, Marquinho (Fajardo, 77 m) e Desmarets.
Treinador: Manuel Cajuda.
Suplentes não utilizados: Nuno Santos; Márcio, Jean Coral e Lionn.

Disciplina: Cartão amarelo para Mohma (6 m), Andrezinho (64 m) e Nuno Assis (80 m).

SPORTING 2 - Barcelona 5



Pesado!

Na quinta jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões, o Sporting perdeu por 5-2 frente ao Barcelona, um resultado demasiado pesado para o que se passou em campo. Miguel Veloso e Liedson foram os autores dos golos «leoninos».

O onze utilizado por Paulo Bento para o encontro com o Barcelona sofreu várias alterações, também fruto das lesões que afectaram jogadores da defesa e do meio-campo «leonino». O técnico «verde e branco» utilizou Rui Patrício na baliza, a defesa foi composta por Caneira, Carriço, Polga e Grimi, o losango do meio-campo construído por Veloso, Moutinho, Pereirinha e Romagnoli, sendo os homens mais avançados Yannick e Liedson.

O facto de aos 20 minutos os «leões» estarem a perder por 2-0, não é sinónimo de que tivessem iniciado mal a partida. O primeiro sinal de perigo pertenceu de facto ao Barcelona, que na conversão de um livre directo viu a trave da baliza «verde e branca» negar-lhe o golo. O Sporting respondeu e dois minutos depois (minuto nove), em jogada de contra-ataque podia ter chegado ao golo, não fora a defensiva do Barcelona, na hora H, ter aliviado o passe de Yannick para canto, não permitindo que Liedson chegasse à bola. A partida continuava em boa toada, quando Barcelona, em apenas sete minutos, se viu com uma vantagem de dois golos. Os pupilos de Paulo Bento tentaram reagir, mas o facto dos espanhóis utilizarem uma defesa em linha, criou dificuldades aos rápidos Yannick e Liedson, que foram diversas vezes apanhados fora-de-jogo, não conseguindo assim levar perigo à baliza defendida por Valdés.

Ao intervalo Paulo Bento mexeu na equipa, tirando Romagnoli e pondo em campo Derlei – Yannick recuou no terreno, para a posição do número 30 dos «leões».
Após o Barcelona ter apontado o terceiro golo, aos 49 minutos, por Messi, o Sporting mostrou o seu real valor e em dois minutos reduziu a desvantagem para 3-2, primeiro por intermédio de Miguel Veloso (64 m), através da marcação irrepreensível de um livre directo, e depois por Liedson (66 m), que arrancou pela direita e rematou cruzado, desfeiteando Valdés. Quando o jogo parecia relançado aconteceu o pior, Caneira (67 m) marcou um autogolo e o Sporting ficou reduzido a 10 elementos por expulsão de Rui Patrício. Num lance que deixa algumas dúvidas, o árbitro entendeu que o guardião «leonino» derrubou Krkic, assinalou grande penalidade e deu ordem de expulsão a Rui Patrício.

Paulo Bento tirou Yannick e fez entrar Tiago, que, embora nem tenha tido tempo para fazer exercícios de aquecimento, quase defendeu o castigo máximo apontado por Krkic. Estava feito o 2-5, um resultado demasiado pesado para a equipa «leonina», que lutou até ao final – Derlei (85 m), depois de excelente passe de Pereirinha, viu Valdés a negar-lhe um golo quase certo – por não sair de Alvalade com este resultado.

Ficha de jogo
Liga dos Campeões – 5.ª jornada
Local: Estádio José Alvalade
Árbitro: Matteo Simone (Itália)
Árbitros assistentes: Cristiano Copelli e Alessandro Lion
Resultado ao intervalo: 0-2
26 de Novembro de 2008

Sporting: Rui Patrício, Caneira, Carriço, Polga, Grimi, Miguel Veloso, Pereirinha, Moutinho, Romagnoli (Derlei, 45 m), Yannick (Tiago, 72 m) e Liedson (Postiga, 78 m).
Treinador: Paulo Bento
Não utilizados: Tiago, Adrien Silva, Ronny, Tiuí e Pedro Mendes
Disciplina: Cartão amarelo a Caneira (55 m), cartão vermelho a Rui Patrício (72m)
Golos: Miguel Veloso (64 m), Liedson (65 m)


Barcelona: Valdés, Daniel Alves, Marquez, Pique, Cáceres, Busquets, Gudjohnsen, Xavi (Keita, 74 m), Hleb, Messi (Pedro Rodriguez, 56 m) e Henry (Krkic, 45 m).
Treinador: Guardiola
Não utilizados: José Pinto, Eto’o, Sylvinho e Sánchez.
Disciplina: Cartão amarelo a Busquets (32 m)
Golos: Henry (10 m), Piqué (17 m), Messi (49 m), Caneira (67 m, pb), Krkic (73 m, gp)

Naval 0 x SPORTING 1




Contra tudo e contra todos!


A presença de Hélder Postiga atrás da dupla Derlei/Postiga foi a principal novidade no «onze» de Paulo Bento, que contou com Caneira, de regresso a defesa esquerdo e a manutenção de Carriço e Polga na zona central defensiva.

O Sporting inaugurou o marcador na primeira grande oportunidade de golo (14 m), quando Liedson combina com Derlei, após bola recuperada a meio-campo, com o «camisola 31», frente a Peiser, a colocar-lhe a bola por cima.

Coube a Rui Patrício, pouco depois, brilhar ao defender uma grande penalidade rematada por Lazaroni, a punir um corte com o braço, discutível no mínimo, de Marco Caneira. Este lance despertou, ainda mais, o Sporting, que, até ao intervalo, dispôs de mais três grandes oportunidades para aumentar a vantagem: livre directo a 35 metros de Miguel Veloso (34 m) e um remate forte de Liedson (40 m) foram travados por excelentes defesas de Peiser; Izmailov, após um movimento diagonal, rematou forte, mas por cima da barra.

No regresso dos balneários, o Sporting procurou baixar o ritmo do encontro e gerir o resultado com a posse de bola, intenção reforçada após a expulsão, por vermelho directo de Derlei, após falta sobre um navalista que, «quase morto», «recuperou» totalmente após alguns segundos de assistência medica e de Caneira, segundo amarelo, na segunda falta que fez durante o tempo que permaneceu em campo. Com nove elementos em campo, perdendo também Abel por lesão, o Sporting reformulou-se num 4x3x1, com Liedson sozinho na frente, e Izmailov, Moutinho e o recém-entrado Adrien Silva nas suas costas. Pereirinha e Veloso ocuparam as laterais defensivas.

Foram mais de 20 minutos de concentração e sacrifício defensivo – perante a Naval que terminou em 3x3x4 – com o Sporting a conseguir manter a vantagem e também perto de a aumentar, quando Liedson, aos 87 minutos e na melhor oportunidade de golo na segunda parte, viu o seu remate ser superiormente defendido, mais uma vez, por Peiser.

Em suma, as perto de 5000 pessoas que estiveram no Estádio Bento Pessoa, na Figueira da Foz, viram uma equipa unida contra a adversidade, que soube sofrer e que garantiu os três pontos, contra tudo e contra todos, de forma meritória.

Naval 1.º Maio, 0
Peiser; Carlitos (Baradji, 74 m), Paulão, Daniel (Marcelinho, 59 m) e Diego; Lazaroni, Hauw, Davide (Dudu, 59 m) e Bolívia; Marinho e Simplício.
Treinador: Ulisses Morais.
Suplentes não utilizados: Jorge Baptista, Fabrício e Godemech e Saulo.
Disciplina: cartões amarelos a Diego (72 m), Baradji (86 m) e Hauw (88 m).


SPORTING; 1
Rui Patrício; Abel (Adrien Silva, 73 m), Daniel Carriço, Anderson Polga e Marco Caneira; Miguel Veloso, João Moutinho, Marat Izmailov e Hélder Postiga (Bruno Pereirinha, 64 m); Liedson e Derlei.
Treinador: Paulo Bento.
Suplentes não utilizados: Tiago, Ronny, Yannick Djaló, Rodrigo Tiuí e Leandro Romagnoli.
Disciplina: Caneira (24 m), Rui Patrício (36 m) e Hélder Postiga (61 m). Cartão vermelho a Derlei (55 m).
Golo: Liedson (14 m)

Futebol – 9.ª jornada da Liga Sagres
2008-11-22 Estádio (Figueira da Foz)

Árbitros: Artur Soares Dias (Porto)
Árbitros auxiliares: José Cardinal e Rui Licínio

Resultado ao intervalo: 0-1

SPORTING 0 - Leixões 1






Na recepção ao Leixões, em encontro da oitava jornada da Liga, o Sporting perdeu pela margem mínima, numa partida em que Paulo Bento, ainda nos primeiros 45 minutos, se viu obrigado a fazer duas substituições devido a lesão.O técnico «leonino» voltou a utilizar Miguel Veloso no lado esquerdo da defesa, na partida em que Daniel Carriço se estreou como titular no eixo da defensiva.Aliás, uma das ocasiões de golo do Sporting foi criada pelo jovem defesa, formado nas escolas do Clube, aos 31 minutos. Livre na esquerda apontado por Miguel Veloso para o miolo da grande área leixonense, onde apareceu Daniel Carriço a cabecear ligeiramente por cima. O Sporting iniciou bem a partida, correspondendo à expectativa dos mais de 36 mil sportinguistas que estiveram nas bancadas de Alvalade.

Romagnoli (18 m), depois de uma excelente recuperação de bola de Liedson, falhou na cara do guarda-redes, permitindo a intervenção de Beto para canto. Os «leões» continuaram a pressionar, enquanto que o Leixões preferiu jogar na expectativa e no erro do Sporting. Até ao final do primeiro tempo, Postiga ainda teve uma boa oportunidade para inaugurar o marcador, mas, novamente, Beto negou o tento à equipa «verde e branca». No segundo tempo, os pupilos de Paulo Bento não entraram tão bem na partida e foi o Leixões que mais ocasiões de perigo criou, com destaque para uma excelente defesa de Rui Patrício, a negar o golo a Hugo Morais.

O Sporting respondeu, aos 63 minutos, com Postiga a rematar para nova boa defesa de Beto. Na resposta, o Leixões marcou o primeiro e único tento da partida, com um remate forte à entrada da grande área de Roberto Sousa. Paulo Bento procedeu à última alteração – ainda no primeiro tempo saíram Rochemback e Pedro Silva, ambos lesionados – tirando Daniel Carriço e pondo Yannick Djaló. No entanto, os jogadores «leoninos» não conseguiram dar a volta ao resultado.

Liga – 8.ª jornada

Local: Estádio José Alvalade

Árbitro: Pedro Proença Árbitros assistentes: Tiago Trigo e Ricardo Santos

Resultado ao intervalo: 0-0

15 de Novembro de 2008

Sporting: Rui Patrício, Abel, Polga, Daniel Carriço (Yannick Djaló, 73 m), Miguel Veloso, Rochemback (Pedro Silva, 35 m) (Grimi, 44 m), Moutinho, Izmailov, Romagnoli, Postiga e LiedsonTreinador: Paulo BentoNão utilizados: Ricardo Batista, Adrien, Pereirinha e DerleiDisciplina: Cartão amarelo a Abel (67 m)

Leixões: Beto, Vasco Fernandes, Joel, Élvis, Laranjeiro, Bruno China, Roberto Sousa, Hugo Morais, Diogo Valente (Zé Manel, 74 m), Braga (Sandro, 90 m) e Wesley (Nwoko, 87 m)Treinador: José MotaNão utilizados: Berger, Rúben, Diogo Luís e MarquesDisciplina: Cartão amarelo a Joel (45 m) e Roberto Sousa (52 m)Golo: Roberto Sousa (65 m)

SPORTING 1 - Porto 1 (4-5 gp)




Imerecido

O Sporting foi afastado da Taça de Portugal nas grandes penalidades. Liedson adiantou os «leões», Hulk empatou na segunda parte, mas na lotaria dos castigos máximos o FC Porto foi mais feliz.Mais uma vez, um clássico na Taça, não foi decidido nos noventa minutos, tendo de se recorrer às grandes penalidades para apurar uma das duas equipas. Numa “final antecipada” em Alvalade, o Sporting foi claramente superior na primeira parte, sobretudo devido à organização, solidariedade e agressividade sobre a bola da equipa de Paulo Bento.

O Sporting entrou melhor do que o adversário, e teve nos primeiros minutos algumas jogadas de empolgar a plateia, com duas boas situações finalizadas por Postiga e Izmailov. Sempre muito agressivos sobre a bola e com pressão alta, os «leões» foram dominando claramente o jogo, criando grandes dificuldades aos portistas para saírem em contra-ataque. Oito remates contra apenas um (sete cantos contra um) demonstraram que o Sporting foi muito superior no primeiro tempo.As melhores situações couberam a Polga, que não conseguiu emendar um bom livre de Miguel Veloso, e a Hélder Postiga (sempre muito em foco no ataque), a atirar de cabeça, como mandam as regras, para defesa difícil do guarda-redes brasileiro.

O FC Porto respondia quase sempre em contra-ataque, mas o Sporting manteve máxima concentração no sector recuado e não permitiu grandes espaços junto à grande área. Lisandro ainda consegui antecipar-se de cabeça a Miguel Veloso junto à linha, provocando os primeiros calafrios à defesa «leonina», só que, ao minuto 28, uma falha na defesa portista, permitiu a Liedson (qual rato de área) bater Helton com um cabeceamento fulgurante.Para a segunda parte, Jesualdo Ferreira trocou de argentinos, Mariano (Tomás Costa) e logo a seguir foi Rodriguez a entrar para o lugar de Raul Meireles, mas o Sporting continuou a dominar e em mais um excelente movimento de ataque, Moutinho cabeceou na pequena área, obrigando Helton a excelente defesa. Contudo, uma cavalgada de Hulk só parou na baliza de Patrício e o FC Porto chegou ao empate e, depois foi a vez de Bruno Paixão entrar no jogo e estragar o espectáculo, com maior prejuízo para o Sporting que ficou sem Caneira (acumulação de amarelos) após discussão com Hulk (amarelo).

Os «leões» perderam capacidade para pressionar o meio campo adversário – Paulo Bento chamou Pedro Silva para a esquerda – e o FC Porto aproveitou para subir mais no terreno, mas Rui Patrício foi resolvendo as situações de perigo com grande segurança. O Sporting reagiu e na sequência de um canto de Rochemback, podia ter decidido o jogo, mas Yannick Djaló cabeceou por cima da barra. A oito minutos da etapa complementar, Pedro Emanuel viu o segundo amarelo e deixou as duas equipas reduzidas a dez elementos, levando o encontro para prolongamento. Com cautelas redobradas de parte a parte, os trinta minutos tiveram poucas chances de golo, as melhores num “tiro” de Abel que obrigou Helton a defesa apertada e uma cabeçada de Lisandro por cima da baliza de Patrício.

Taça de Portugal – 4ª eliminatória

Estádio José Alvalade2 008-11-09

Árbitro: Bruno Paixão (Setúbal)Árbitros assistentes: António Godinho e Paulo Ramos.

Ao intervalo: 1-0

SPORTING: Rui Patrício; Abel, Caneira, Polga, Miguel Veloso, Rochemback, Moutinho, Izmailov, Romagnoli (Pedro Silva, 68 m), Postiga (Yannick Djaló, 81 m) e Liedson Treinador: Paulo Bento.Suplentes não utilizados: Tiago, Carriço, Ronny, Tiuí e PereirinhaDisciplina: Cartão amarelo para Caneira (54 e 64 m), Polga (64 m), Liedson (73 m), Pedro Silva (76 m), Miguel Veloso (102 m) e Abel (114).Cartão vermelho para Caneira (64 m).Golo: Liedson (28 m).G.p. Veloso, Tiuí, Moutinho e Polga marcaram. Rochemback e Abel falharam.

FC Porto: Helton; Fucile (Lino, 99 m), Rolando, Bruno Alves, Pedro Emanuel, Fernando, Meireles (Rodriguez, 56 m), Mariano Gonzalez (Tomás Costa, 45 m), Lucho, Hulk e Lisandro Treinador: Jesualdo Ferreira.Suplentes não utilizados: Nuno, Stepanov, Tarik e Pelé.Disciplina: Cartão amarelo para Bruno Alves (36 m), Pedro Emanuel (41 e 82 m), Lucho (46 m), Hulk (64 e 116 m) e Helton (119 m). Cartão vermelho para Pedro Emanuel (82 m) e Hulk (116 m).Golo: Hulk (59 m).G.p. Lisandro, Tomás Costa, Lino, Bruno Alves e Rodriguez marcaram. Lucho falhou.

SPORTING 1 - Shakhtar 0



Já estamos nos oitavos

O Sporting está nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões, depois de bater, em casa, o Shakhtar Donetsk. Derlei saltou do banco e marcou o golo que faz do dia 4 de Novembro, um dia histórico para o Clube.A equipa do Sporting subiu ao relvado de Alvalade com o objectivo de fazer história... e fê-la. Paulo Bento pediu confiança, tranquilidade e agressividade sobre a bola. Tudo isso aconteceu e o Sporting está, pela primeira vez na sua história, nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões, também porque o Basileia não venceu (1-1), em Camp Nou, o Bacelona.

Paulo Bento voltou a colocar Miguel Veloso como trinco, Rochemback como médio interior direito e Moutinho a «dez», deixando o argentino Romagnoli no banco de suplentes.Os «leões» entraram melhor no encontro, tendo logo criado algumas situações perigosas, mas nem sempre a dominar, pois o Shakhtar, desde logo, mostrou que não vinha a Lisboa para jogar apenas em contra-ataque e não foram raras as vezes que os defesas «verdes e brancos» tiveram de se aplicar para evitar males maiores.Foi principalmente a meio-campo que se jogou durante os primeiros 45 minutos, com constantes perdas de bola de parte a parte, mostrando que a tranquilidade, pedida por Paulo Bento antes do encontro, tardava em aparecer.

Por outro lado, a agressividade sobre a bola era mais do que evidente, tal como a confiança, principalmente do sector defensivo da equipa portuguesa. Foi com um, justo, 0-0 que as equipas recolheram ao balneário.Para a segunda parte, a equipa de Paulo Bento entrou mais rápida, mais agressiva e, acima de tudo, com mais tranquilidade na altura de atacar, no entanto, os visitantes também não estavam contentes com o resultado e, sempre que podiam, «lançavam-se» no ataque à procura do golo.O golo tardava em aparecer mas, aos 68 minutos, entrou Derlei que, apenas cinco minutos depois, se redimiu do erro de Vila do Conde e, a passe de Izmailov, e já dentro da área ucraniana, dominou a bola, apontou ao ângulo inferior mais distante e... inaugurou o marcador.Depois do golo, percebeu-se que os ucranianos ainda queriam discutir o resultado, mas como querer não é poder, isso não aconteceu, devido à forte pressão que os «leões» foram exercendo no meio-campo contrário.

No final, 1-0 era o resultado justo e a chegada aos oitavos-de-final da principal prova de clubes da Europa, um prémio mais do que merecido.

Liga dos Campeões - 4.ª jornada da fase de grupos (Grupo C)

2008-11-04 - Estádio José Alvalade

Árbitro: Alain Hamer (Luxemburgo)Árbitros assistentes: Francis Crelo e Christian Holtgen

Ao intervalo: 0-0

SPORTING - Rui Patrício, Abel, Grimi, Polga, Caneira, Miguel Veloso, Rochemback, Izmailov (Pereirinha, 90+1), Moutinho, Postiga (Derlei, 68 m) e Liedson.Treinador: Paulo BentoSuplentes não utilizados: Tiago, Carriço, Pedro Silva, Djaló e Romagnoli.Disciplina: cartão amarelo a Moutinho (21 m), Postiga (42 m);Golos: Derlei (73 m)

Shakhtar - Pyatov, Srna, Rat, Chygrynskiy, Kusher, Fernandinho, Jadson (Luiz Adriano, 74 m), Willian, Hübschman (Lewandowski, 80 m), Moreno e Brandão.Treinador: Mircea LucescuSuplentes não utilizados: Khudzhamov, Shevchuk, Gai, Gladkiy e Yezerskiy.Disciplina: cartão amarelo Hübschman (24 m), Chygrynskiy (54 m), Jadson (63 m), Brandão (78 m) e Kuscher (90+1).

Rio Ave 0 x SPORTING 1





Regresso às vitórias

A entrada de Pedro Silva para o lado direito da defesa, pró troca directa com Abel e o regresso de Caneira a central para substituir o lesionado Tonel foram as principais novidades da equipa escolhida por Paulo Bento para a partida no Estádio dos Arcos, em Vila do Conde.Ao «losango» sportinguista, João Eusébio respondeu com semelhante 4x4x2, o que provocou aglomeração de jogadores na zona central da intermediária, com a transição defesa/ataque a ser feita pelos corredores, com Grimi a estar melhor nos cruzamentos para os avançados do que o seu companheiro na direita.

Liedson, sobretudo, foi ameaçando com um cabeceamento e um remate de pé direito até que o «31», após roubar a bola ao central Bruno Mendes, inaugurou, perante Paiva, o marcador num remate de pé direito (40 m).De regresso dos balneários, o Sporting recuou no terreno, com o Rio Ave – que avançou Evandro para junto de Semedo e Chidi, transformando-se em 4x3x3 – a pressionar no primeiro quarto de hora, com Paulo Bento a responder na entrada de Miguel Veloso por Romagnoli (59 m), com o jovem formado em Alvalade a rematar forte (64 m), de pé direito, para defesa difícil de Paiva.

Dois minutos antes, Liedson marcara o segundo golo «verde e branco», mas o auxiliar José Ramalho – no primeiro de quatro foras-de-jogo mal assinalados ao ataque do Sporting em situações de real perigo – decidiu levantar a bandeirola quando o avançado «leonino» respondeu de cabeça a um remate de Rochemback, partindo atrás de dois defesas do Rio Ave.Derlei viu dois amarelos em outros tantos minutos (76 e 77 m) e o Sporting voltou a perder o domínio do jogo, mas não o seu controlo, justificando inteiramente a vitória até ao apito final do juiz Jorge Sousa, que fez péssima actuação inclusive no campo disciplinar, onde relevou gritante dualidade de critérios em prejuízo do Sporting.

Ficha de Jogo

Futebol – 7.ª jornada da Liga Portuguesa.

2008-11-01 Estádio dos Arcos (Vila do Conde).

Árbitro: Jorge Sousa (Porto).Árbitros auxiliares: José Ramalho e José Luís Melo.

Resultado ao intervalo: 0-1

Rio Ave, 0Paiva; Miguel Lopes, Gaspar, Bruno Mendes e Sílvio; André Vilas Boas (Tarantini, 68 m), Livramento, Evandro e Niquinha (Mateus, 75 m); Chidi e Semedo (Ronaldo, 72 m). Treinador: João Eusébio. Suplentes não utilizados: César, Vítor Gomes, Jorge Humberto, Henrique. Disciplina: cartões amarelos a Livramento (35 m) e Gaspar (69 m).

SPORTING: 1Rui Patrício; Pedro Silva, Caneira, Polga e Grimi; Rochemback, João Moutinho, Izmailov (Bruno Pereirinha, 90 m) e Romagnoli (Miguel Veloso, 59 m); Derlei e Liedson. Treinador: Paulo Bento. Suplentes não utilizados: Ricardo Baptista, Daniel Carriço, Abel, Yannick Djaló e Hélder Postiga. Disciplina: cartões amarelos a Pedro Silva (58 m), Derlei (76 e 77 m), Liedosn (87 m) e João Moutinho (90 m). Cartão vermelho a Derlei (77 m). Golo: Liedson (40 m

Paços Ferreira 0 - Sporting 0



Resultado inglório

Sporting lutou bastante, controlou, mas encontrou pela frente uma equipa muito inspirada defensivamente.Num terreno de reconhecidas dificuldades, o Sporting não conseguiu conquistar os três pontos pelos quais tanto lutou. Os "leões" fizeram uma primeira parte interessante, com Paulo Bento a apresentar um "onze" diferente daquele que utilizou no encontro frente ao Shakthar, para a "Champions".Leandro Grimi regressou à titularidade, juntando-se a Abel, Tonel e Polga na defesa.

Na frente de ataque, Hélder Postiga actuou ao lado de Liedson e, no meio-campo, Paulo Bento manteve o losango formado por Rochemback, Moutinho, Izmailov e Romagnoli. Na primeira parte poder-se-á dizer que o ritmo do jogo foi bastante intenso, apesar da partida ter sido, essencialmente, disputada na zona intermediária. Hélder Postiga e Liedson tiveram, cada um deles, duas claras oportunidades de marcar, mas encontraram pela frente Cássio numa noite de forte inspiração, negando as intenções aos «leões».

No segundo tempo, ambos os treinadores fizeram alterações: Paulo Bento fez sair Romagnoli e entrar Pereirinha, mantendo o losango. Por parte do Paços, Paulo Sérgio fez sair Edson e entrar Leandro Tatu. O Sporting continuava a controlar o jogo, trocando a bola, procurando profundidade e empenhado em impedir que o Paços conseguisse surpreender em jogadas de contra-ataque. No entanto, se por um lado o Sporting mostrava enorme eficácia defensiva, por outro continuava a ter dificuldades no último terço do terreno.

Aos 71 minutos, o técnico «leonino» teve mais uma "dor de cabeça" para resolver. Tonel lesionou-se no pé esquerdo e não conseguiu prosseguir. Entrou, e muito bem, para o seu lugar Daniel Carriço. No mesmo minuto (72) Paulo Bento, numa clara intenção de levar a sua equipa à vitória, trocou o defesa Abel pelo avançado Derlei, mas a defesa pacense, a muito custo, foi impedindo o golo que daria a merecida vitória aos «leões».

Ficha de jogo

PAÇOS DE FERREIRA, 0-SPORTING, 0

Estádio da Mata Real, em Paços de Ferreira

26 de Outubro de 2008

Árbitro: Olegário Benquerença (AF Leiria)

PAÇOS DE FERREIRA – Cássio; Ricardo, Kiko, Kelly e Ozéia; Rui Miguel (Pedrinha, 79 m), Filipe Anunciação e Paulo Sousa; Edson (Leandro Tatu, 46 m), William e Cristiano (Chico Silva, 84 m). Treinador: Paulo Sérgio. Acção disciplinar: Cartão amarelo para Paulo Sousa (66 m).

SPORTING – Rui Patrício; Abel (Derlei, 71 m), Tonel (Daniel Carriço, 71 m), Polga e Grimi; João Moutinho, Rochemback, Romagnoli (Pereirinha, 46 m) e Izmailov; Liedson e Hélder Postiga.Treinador: Paulo Bento.Acção disciplinar: Cartão amarelo para João Moutinho (42 m) e Tonel (62 m).


SHAKHTAR 0 X SPORTING 1





Decisivo


O Sporting venceu na Ucrânia com um golo de Liedson, aos 76 minutos, e deu um passo decisivo rumo às suas aspirações, ou seja, chegar aos oitavos-de-final da Liga dos Campeões.Se vencer na próxima jornada, o Shakhtar, em Alvalade, tem praticamente garantida a presença na próxima fase da liga “milionária”.Paulo Bento voltou a apostar em Rochemback para o lugar de trinco, derivando Miguel Veloso para a lateral-esquerda da defesa – Grimi foi para o banco – Abel na direita, Polga e Tonel no eixo defensivo.


Izmailov e Moutinho como médios interiores e Romagnoli mais ofensivo, no apoio a Derlei e Liedson.Na formação de Lucescu os brasileiros Jadson e Fernandinho, descaindo para as alas deram o sinal mais nos primeiros minutos do encontro, com Brandão e Moreno na frente de ataque. Porém, foi o capitão Srna que na lateral direita – o lugar natural do lesionado Ilsinho – a dar maior profundidade ao corredor, obrigando Izmailov a cuidados redobrados.


O Sporting entrou bem no jogo, principalmente a defender o ímpeto inicial do Shakhtar que, com um ambiente vindo das bancadas, procurou assustar a defesa «leonina» desde o início do encontro.Os «leões» passaram por alguns momentos de apuro, mas mostraram estar à altura dos acontecimentos, principalmente com a alta intensidade do jogo no Estádio. O sector recuado anulou quase sempre Moreno e Brandão, e com o andar da primeira parte conseguiram estancar a pressão dos ucranianos. Moutinho ia aparecendo mais em jogo, mas a dupla Liedson/Derlei, raramente foi bem servida e o Sporting “andava” longe da baliza de Pyatov.


Pedia-se maior esclarecimento em zona de finalização, mas os «leões» demoraram a criar a primeira oportunidade de registo. Apenas aos 52 minutos, com Liedson a cabecear de forma fulgurante, mas junto ao poste da baliza de Pyatov, após belo cruzamento de Moutinho. O Shakhtar voltou a ameaçar a baliza de Patrício, pouco depois, com a dupla sul-americana do ataque a não conseguir desviar o cruzamento de Srna. Mas o Sporting recompôs-se e começou a soltar-se mais, um pouco antes da entrada de Pereirinha (Romagnoli foi um dois mais apagados no gelo ucraniano) no encontro.Na sequência de um livre de Rochemback para a área, Derlei teve espaço e com um calcanhar brilhante deixou Liedson em posição privilegiada para bater Pyatov.


O levezinho não perdoou, e já é o melhor marcador de sempre dos «leões» nas competições europeias com 19 golos, batendo o recorde do saudoso Manuel Fernandes. Sem competir há cinco meses, Liedson em dois jogos faz…dois golos. Irrepreensível. Com a vantagem no marcador, o Sporting soube ser paciente a guardar a bola e gerir a vantagem, controlando os movimentos do meio campo ucraniano. Paulo Bento ainda trocou de avançados, com Postiga a entrar para o lugar do esforçado Derlei, ajudando a segurar a bola longe da baliza verde e branca e os «leões» acabaram por conquistar uma vitória preciosa em Donetsk.


Liga dos Campeões – Grupo C - 3ª jornada


2008-10-22Estádio RSC Olympiyiskiy, em Donetsk (Ucrânia)


Árbitro: Herbert Fandel (Alemanha) Árbitros assistentes: Jan-Hendrik Salver e Mike Pickel


Ao intervalo: 0-0


Shakhtar Donetsk: Pyatov, Srna, Kucher, Chygrynskiy, Rat, Duljaj, Hubschman (Gai, 82 m), Jadson (Willian, 71 m, Fernandinho, Moreno (Gladkiy, 71 m) e Brandão.Treinador: Mircea Lucescu.Suplentes não utilizados: Khudzhamov; Seleznov, Lewandowski e Ischenko.Disciplina: Cartão amarelo para Srna (82 m).


Sporting: Rui Patrício; Abel, Tonel, Polga, Miguel Veloso, Rochemback, João Moutinho, Izmailov (Grimi, 73 m), Romagnoli (Pereirinha, 67m), Liedson e Derlei (Hélder Postiga, 88 m).Treinador: Paulo Bento.Suplentes não utilizados: Tiago; Daniel Carriço, Pedro Silva e Yannick Djaló.Disciplina: Cartão amarelo para Rui Patrício (85 m).Golo: Liedson (76 m).

LEIRIA 0 X SPORTING 1

SPORTING 1 - PORTO 2




Sporting, 1-FC Porto, 2: Sabor a injustiça


Para o encontro com o FC Porto, Paulo Bento colocou Yannick Djaló no lugar de Leandro Romagnoli, deixando o ataque entregue a Derlei e a Postiga, uma dupla conhecedora da equipa portista, e o meio-campo a cargo de Veloso, Moutinho e Rochemback, atrás de Djaló.


Devido a estas alterações, ou não, os «leões» entraram em campo a pressionar fortemente a defesa contrária, quando esta tinha a bola, e a sair rapidamente para o ataque mas, ainda assim, a equipa «leonina» não conseguiu criar verdadeiras situações de perigo para a baliza de Nuno, exceptuando uma arrancada de Postiga que, já dentro da área, e depois de ter passado por dois adversários, não bateu o guarda-redes contrário.


À passagem do minuto 17, e quando nada o fazia prever, o FC Porto fez o 1-0, por intermédio de Lisandro, depois de uma perda de bola de Grimi, junto à linha lateral. Exactamente dez minutos depois, o Sporting chegou ao empate, da marca de grande penalidade. Depois de sofrer falta de Tomás Costa, João Moutinho encarregou-se de marcar, e repor a igualdade, um resultado que não se manteria durante muito tempo, uma vez que, aos 31 minutos, Bruno Alves, na marcação de um livre directo, recolocou os «dragões» em vantagem.


Até ao intervalo, a equipa «leonina» procurou chegar ao golo, enquanto o FC Porto esperava, como acontecera até então, pelo erro dos «leões» para contra-atacar.Para a segunda parte, Paulo Bento colocou Bruno Pareirinha no lugar de Grimi, fazendo Veloso descer para a esquerda e Rochemback ficar como o último homem do meio-campo. Com esta alteração, os «leões» ficaram mais balanceados para o ataque, deixando mais espaço para o adversário contra-atacar.


Com o passar dos minutos, e com a ajuda do público, os «leões» começaram a justificar o golo do empate, criando inúmeras situações de perigo para as redes de Nuno e, sobretudo, obrigando a equipa nortenha a jogar mal e a ter que perder (muito) tempo para quebrar o impressionante ritmo que o Sporting impunha então, ritmo que se tornou ainda mais forte depois das entradas de Liedson e Romagnoli.


Mesmo fazendo uma grande segunda parte, o Sporting não conseguiu dar a volta ao resultado trazido da primeira parte, perdendo assim a liderança do campeonato.



Liga Sagres – 5.ª jornada

Sporting, 1-FC Porto, 2

Estádio José Alvalade, 2008-10-05

Ábritro: Lucílio Baptista

Árbitros assistentes: Venâncio Tomé e Mário Dionísio

Ao intervalo: 1-2


Sporting: Rui Patrício, Grimi (Pereirinha, 45 m), Abel (Romagnoli, 65 m), Polga, Tonel, Veloso, Moutinho, Rochemback, Djaló, Derlei e Postiga (Liedson, 65 m).Treinador: Paulo BentoNão utilizados: Tiago, Carriço e Pedro Silva.


FC Porto: Nuno, Fucile, Sapunaru, Rolando, Bruno Alves, Raul Meireles, Fernando, Lucho (Guarín, 82 m), Tomas Costa (Mariano, 57m), Rodriguez (Hulk, 72 m) e Lisandro.Treinador: Jesualdo FerreiraNão utilizados: Ventura, Pedro Emanuel, Lino e Pelé.Disciplina: Cartão amarelo a Abel (31m), Pereirinha (49 m) e Liedson (79 m); Lucho (21 m), T. Costa (54 m), Sapunaru (58 m) e Raul Meireles (89 m).Golos: Moutinho (27 m, gp); Lisandro (17 m) e Bruno Alves (31 m).

SPORTING 2 - BASILEIA 0


Convincente! Sporting, 2 - Basileia, 0

O Sporting venceu o Basileia por 2-0, no jogo da segunda jornada da Liga dos Campeões, com golos apontados por Romagnoli e Derlei. A vitória dos «leões» só pecou por escassa, já que os pupilos de Paulo Bento dispuseram de boas ocasiões para saírem de Alvalade com um resultado mais dilatado.

O Sporting iniciou a partida apenas com uma alteração no onze que entrou no derby do passado fim-de-semana – Derlei ocupou o lugar de Yannick Djaló.

Os «leões» mostraram vontade e determinação em resolverem cedo a partida, mas as ocasiões criadas não tiveram a melhor finalização. Logo a abrir Derlei, que viu o poste da baliza adversária negar-lhe o golo por duas vezes, cabeceou ao lado, dando o primeiro sinal de perigo para a baliza defendida por Costanzo. O Basileia, ao contrário do Sporting, actuou recuado no terreno, com muitos jogadores a disputarem a bola no meio-campo, enquanto que os «leões» tentavam imprimir velocidade no jogo de forma a conseguirem surpreender a baliza contrária. Já mesmo em cima do final da primeira parte, Derlei viu Costanzo a negar-lhe o golo, depois de rematar à meia volta o guarda-redes do Basileia defendeu por instinto para canto.

No segundo tempo, já com Vukcevic em campo (entrou ao intervalo para o lugar do lesionado Rochemback), o Sporting conseguiu impor o ritmo de jogo que pretendia e desde cedo se começou a adivinhar o golo. Os «leões» fizeram uma boa circulação de bola e tiveram a paciência e o engenho necessários para conseguirem furar a barreira defensiva adversária. Depois de Derlei aos 48 minutos ter visto o poste negar-lhe o golo, Romagnoli, sete minutos depois, não desperdiçou e fez o primeiro da partida. Os «leões» com o primeiro tento tiveram ainda mais tranquilidade e controlaram o jogo, deixando que o adversário chegasse apenas por duas vezes com perigo à baliza de Rui Patrício, que aos 66 minutos, com boa defesa aliviou para canto um livre directo apontado por Gjasula.

O Sporting continuou à procura do tento da tranquilidade, que poderia ter surgido dos pés de João Moutinho – através da marcação de um livre directo, em posição frontal à baliza adversária –, Derlei, que voltou a cabecear à trave, e por Abel, que rematou ao lado, quando estava em posição frontal à baliza. O esforço dos pupilos de Paulo Bento foi recompensado quando faltavam quatro minutos para o final. Romagnoli lançou Derlei no ataque dos «leões». O «ninja», na cara do guarda-redes adversário, não falhou e marcou o segundo tento, dando mais justiça ao resultado.

Fruto da vitória do Barcelona, o Sporting está no segundo lugar do grupo, em igualdade pontual com o Shakhtar. Vitória justa do Sporting, que só pecou por escassa, num jogo em que os jogadores mostraram raça e determinação.

Ficha de Jogo:

Liga dos Campeões – 2.ª jornada
Local: Estádio José Alvalade
Árbitro: Nicola Rizzoli
Árbitros assistentes: Alessandro Griselli e Flaviano Lanciano

Sporting: Rui Patrício, Abel, Tonel, Polga, Grimi, Miguel Veloso, Rochemback (Vukcevic, 45 m), Moutinho, Romagnoli (Yannick, 72 m), Postiga (Pereirinha, 88 m) e Derlei.
Treinador: Paulo Bento
Suplentes: Tiago, Daniel Carriço, Pedro Silva e Liedson
Disciplina: Cartão amarelo a Grimi (17 m), Miguel Veloso (45 m) e Tonel (84 m)
Golos: Romagnoli (55 m) e Derlei (86 m).

Basileia: Costanzo, Zanni, Abraham, Ferati, Safari, Huggel, Gelabert (Ergic, 60 m), Gjasula, Carlitos, Chipperfield (Perovic, 82 m) e Streller (Mustafi, 78 m)
Treinador: Christian Gross
Suplentes: Stöckli, Morganella, Eduardo e Rúbio
Disciplina: Cartão amarelo a Streller (74 m)

BENFICA 2 - SPORTING 0





O futebol tem destas coisas

Dois lances de bola parada ditaram um resultado injusto (0-2), já que a equipa que foi sempre superior saiu do relvado sem qualquer ponto, perante um adversário que passou 90 minutos a chutar a bola para a frente.

O Sporting entrou no jogo perto de marcar, com Yannick, que fez dupla com Postiga no ataque, a aparecer isolado – após lançamento longo de Miguel Veloso, que se estreou a titular no presente campeonato – mas, perante Quim, o jovem avançado «leonino» rematou por cima. Apesar de não ter chegado à vantagem, este lance serviu para silenciar o estádio e por a defesa em linha encarnada em sentido.

Depois, o que se esperava, o Benfica a usar sempre os lançamentos longos para a cabeça de Cardozo para construir o jogo através das consequentes «segundas bolas», com o Sporting a alternar entre a colocação da bola entre a defesa e Quim, para aproveitar a velocidade de Yannick, e a construção paciente, mudando a bola de lado as vezes necessárias até encontrar superioridade numérica nos corredores laterais, com a subida do defesa do lado da bola. Esta maior posse de bola «verde e branca» levou ainda a que a equipa de Paulo Bento controlasse os ritmos do jogo, com o Benfica apenas a criar perigo, relativo, em pontapés de canto e livres laterais.

O treinador benfiquista reconheceu essa superioridade na intermediária e colocou, no regresso dos balneários, Katsouranis no meio-campo, passando Martins – que saiu lesionado – para a direita, e o jogo «veio vivo», com Jorge Ribeiro, primeiro, e João Moutinho, depois, a colocarem à prova os guarda-redes, com remates de fora da área, seguindo-se um remate de Miguel Veloso, após livre lateral, por cima da barra.

O Sporting voltou a tomar conta do jogo, controlando-o e dominando-o, cabendo aos «leões» as melhores oportunidades para marcar, sobretudo em remates de fora da área. E no melhor momento sportinguista no jogo, o Benfica marcou, por Reyes, após lançamento lateral junto à área de Rui Patrício. De imediato, Paulo Bento lançou Derlei, mas o Benfica voltou a marcar, no minuto seguinte, por Sidney, num cabeceamento após livre lateral.

Entrou Pereirinha e Liedson – de regresso após cinco meses de paragem por lesão – para os lugares de Abel e Romagnoli, e os «verdes e brancos» continuaram a jogar perto da área adversária até ao final do encontro, procurando por todos os meios chegar ao golo que o recolocasse na discussão do jogo. Não apareceu e o Sporting perde, injustamente, pela primeira vez no campeonato, mas mantém-se à frente dos seus adversários directos na luta pelo título.

Ficha de Jogo

Futebol – 4.ª jornada da Liga Sagres.
2008-09-27 Estádio da Luz.
Árbitro: Duarte Gomes (Lisboa).
Árbitros auxiliares: Bertino Miranda e José Lima.
Resultado ao intervalo: 0-0.

Benfica, 2
Quim; Maxi Pereira, Miguel Vítor, Sidnei e Jorge Ribeiro; Yebda, Carlos Martins, Ruben Amorim (Katsouranis, 45 m), Reyes (Di Maria, 71 m) e Nuno Gomes (Aimar, 59 m); Cardozo. Treinador: Quique Flores. Suplentes não utilizados: Moreira, Léo, Binya e Makukula. Disciplina: cartão amarelo a Yebda (85 m). Golos: Reyes (66 m) e Sidney (68 m)

Sporting Clube de Portugal, 0
Rui Patrício; Abel (Pereirinha, 69 m), Anderson Polga, Tonel e Grimi; Miguel Veloso, João Moutinho, Fábio Rochemback e Leandro Romagnoli (Liedson, 69 m); Yannick Djaló e Hélder Postiga (Derlei, 66 m). Treinador: Paulo Bento. Suplentes não utilizados: Tiago, Daniel Carriço, Pedro Silva e Adrien Silva. Disciplina: cartões amarelos a Pereirinha (70 m), Grimi (86 m) e João Moutinho (89 m).

SPORTING 2 - BELENENSES 0




20-09-2008
Na frente
O Sporting assumiu a liderança da Liga Sagres, vencendo o Belenenses em Alvalade por 2-0, com golos de Hélder Postiga e Romagnoli, este na transformação de uma grande penalidade. Nos «leões», uma novidade no onze em relação à equipa que jogou em Barcelona, com Hélder Postiga a surgir ao lado de Yannick Djaló, em virtude da lesão de Derlei. No Belenenses, Casemiro Mior apresentou uma estrutura defensiva com três centrais - Carciano, Alex von Shwedler e Matheus - e um meio campo muito povoado, tentando retirar capacidade de organização à zona intermediária dos «leões».
No entanto, os desdobramentos entre Rochemback, Romagnoli e Izmailov – um dos mais activos na primeira parte até à lesão – apoiados na direita por Abel, iam dando sinal mais ao Sporting, até porque na frente, Postiga foi sempre uma dor de cabeça para os centrais do Restelo. O Sporting tentou chegar cedo à vantagem, mas entre o deslumbramento de Postiga – na primeira situação isolou-se mas atirou por cima da barra após excelente abertura de Rochemback – e a direcção errada nos remates de Izmailov e Polga, a formação azul lá foi conseguindo adiar o golo adversário. No entanto, ao minuto 33, Postiga foi mais rápido do que toda gente e agradeceu o passe de Djaló para abrir o activo em Alvalade, fazendo assim o seu segundo golo com a camisola verde e branca.
Aliás, Postiga foi mesmo a figura do encontro com o Belenenses, mas já lá vamos.A emoção viria a tomar conta de Alvalade ainda na primeira parte, quando Vukcevic foi chamado para o aquecimento, em virtude da lesão de Izmailov. O montenegrino entrou bem no jogo, ajudando o Sporting a guardar a bola, mas a tarefa dos «leões» ficou bem mais facilitada, logo no recomeço da partida. Novamente Postiga em foco, a ganhar um penalty a Maycon, que Romagnoli transformou em golo e teve o condão de serenar o colectivo. A perder por 2-0, o Belenenses tentou reduzir, apesar da pouca clarividência no último terço do terreno, mas Patrício não deixou que Silas e Mano recolocassem os azuis na discussão do resultado.
Os «leões» embalaram para uma boa exibição, sempre com Postiga e Yannick Djaló em tom ameaçador para a baliza de Júlio César e podiam ter conseguido um resultado mais expressivo. Vitória justa do Sporting que coloca os «leões» na frente do campeonato antes do derby da próxima jornada.
Ficha de Jogo
Liga Sagres – 2ª jornada
Estádio José Alvalade, em Lisboa 2008-09-20
Árbitro: Elmano Santos (Madeira).Árbitros assistentes: Sérgio Serrão e Álvaro Mesquita.
Ao intervalo: 1-0
Sporting: Rui Patrício; Abel, Polga, Tonel, Caneira, João Moutinho, Rochemback (Miguel Veloso, 60 m), Romagnoli (Pereirinha, 81 m), Izmailov (Vukcevic, 45 m), Yannick Djaló e Postiga.Treinador: Paulo Bento.Suplentes não utilizados: Ricardo Batista, Pedro Silva, Ronny e Tiuí.Disciplina: Cartão amarelo para Hélder Postiga (14 m) e Miguel Veloso (88 m).Golos: Hélder Postiga (33 m) e Romagnoli (49 m, g.p.).
Belenenses: Júlio César; Carciano, Alex, Matheus, Mano, Gabriel Gómez, Silas, Zé Pedro, Maykon (Vanderlei, 77 m), Wender (João Paulo, 79 m) e Porta (Roncatto, 70 m). Treinador: Casemiro Mior.Suplentes: Costinha, Edimilson, Vinícius e Júnior Negão.Disciplina: Cartão amarelo para Mano (39 m) e Maykon (48 m).

BARCELONA 3 - SPORTING 1

16-09-2008
Sporting acreditou

Os «leões» não tiveram tarefa fácil em Camp Nou, mas o golo de Tonel causou sensação junto dos sportinguistas que acreditaram sempre que poderiam chegar, pelo menos, à igualdade.O Sporting deslocou-se ao difícil Estádio do Barcelona para disputar a 1.ª jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões 2008/09, onde começou por actuar em 4x4x2 losango, mas mais concentrado defensivamente, de forma a impedir que os atacantes espanhóis conseguissem chegar ao golo.Rui Patrício, aliás, não teve tarefa fácil, mas acabou por fazer bom uso do seu potencial, quando impediu, por várias vezes, que os atacantes adversários marcassem nos minutos iniciais.
Foi Messi, Thierry Henry, Eto'o e outros mais que tentaram surpreender o "miúdo", mas em bom uso da verdade, também o miúdo foi um senhor entre os postes, quando na primeira parte, permitiu apenas um golo, sem culpas no cartório, à passagem do minuto 21. O golo foi marcado por Rafael Márquez, após um pontapé de canto apontado na esquerda por Iniesta, com o mexicano a aproveitar a falta de marcação e a cabecear para o fundo da baliza «leonina». Rui Patrício ainda saltou, mas a bola entrou junto ao seu poste direito.Aos 31 minutos, o Sporting tentou surpreender através de Fábio Rochemback que rematou forte, através de um livre junto à área do Barcelona, obrigando o guarda-redes Valdés a fazer uma defesa difícil.Na segunda parte o Sporting tentou o futebol mais directo e, aos 49 minutos, esteve perto de igualar o marcador. Yannick Djaló lançou Derlei, mas este acabou por ter dificuldades em dar seguimento à jogada.
O Sporting crescia, começava a causar perigo e quando o jogo ainda estava em aberto, aos 62 minutos, o árbitro francês, assinala uma grande penalidade, diga-se que muito forçada, castigando um toque, muito suave, de Abel sobre Eto'o. O mesmo converteu o lance, fazendo o segundo golo do Barcelona.Com dois golos de desvantagem, Paulo Bento tenta o tudo por tudo e mexe na sua equipa. Faz entrar Hélder Postiga e Miguel Veloso e dá indicações para que João Moutinho jogue na posição dez. As alterações do técnico deram os seus frutos, já que o golo do Sporting teve início num belíssimo cruzamento de Miguel Veloso, aos 71 minutos, com Tonel a receber a bola e a marcar sem problemas. O Sporting subia de rendimento, mostrava uma maior qualidade no passe e uma enorme capacidade de luta. Bento ainda tenta o empate e lança Pereirinha que sempre mostrou boas capacidades ofensivas. Estava ainda tudo em aberto e, foi como um tiro no peito que Xavi matou o jogo, aos 87 minutos. O lance do terceiro golo do «Barça» teve início num cruzamento de Iniesta, com Xavi a acertar no alvo.Os «leões» perderam uma «batalha», mas não a «guerra». Este foi apenas o primeiro jogo da fase de grupos da «Champions» e ainda há muito tempo para recuperar.
O Barcelona, por sua vez, terá que reconhecer que o Sporting é um adversário capaz e que em Alvalade tudo fará para lhe responder à letra.
LIGA DOS CAMPEÕES 2008/09(1.ª jornada do Grupo C)
Estádio: Camp Nou, em Barcelona
Árbitro: Laurent Duhamel (França)
BARCELONA: Valdés; Daniel Alves, Puyol (Sylvinho, 88 m), Márquez e Piqué; Keita, Xavi e Iniesta; Messi, Eto'o (Touré, 65 m) e Thierry Henry (Pedro Rodríguez, 75 m)Treinador: Pep GuardiolaSuplentes não utilizados: Pinto, Cáceres, Pedro Rodríguez, Bojan e GudjohnsenAcção disciplinar: Cartão amarelo para Piqué (69 m). Golos: Rafael Márquez (21 m), Eto'o 62 m g.p.) e Xavi (87 m).
SPORTING: Rui Patrício; Abel, Tonel, Anderson Polga e Marco Caneira (Pereirinha, 79 m); João Moutinho, Fábio Rochemback, Izmailov e Romagnoli (Miguel Veloso, 64 m); Derlei e Yannick (Hélder Postiga, 62 m).Treinador: Paulo BentoSuplentes não utilizados: Tiago, Pedro Silva, Adrien, Pereirinha, Rodrigo Tiuí Acção disciplinar: Cartão amarelo para Rochemback (85 m). Golo: Tonel (71 m).

BRAGA 0 X SPORTING 1




Vitória do querer

No primeiro teste a sério à capacidade do «leão», o Sporting saiu vitorioso da "pedreira" de Braga. Um golo a abrir, de Hélder Postiga, selou um triunfo do querer, da capacidade e do espírito de sacrifício da equipa verde e branca. Face à indisponibilidade física de Yannick Djaló, foi Hélder Postiga a assumir a titularidade ao lado de Derlei. De resto, tudo igual na estrutura montada por Paulo Bento, à excepção da esperada colocação de Caneira no eixo defensivo, dado o castigo de Polga. Jorge Jesus escalou uma equipa com um meio campo muito ofensivo – num modelo táctico 4x4x2 idêntico ao dos «leões» – e duas setas apontadas à baliza «leonina» Meyong e Linz.

Num campo tradicionalmente complicado para os «leões», esperavam-se grandes dificuldades, mas na primeira situação de perigo, o Sporting colocou-se em vantagem no marcador, num bom lance pela direita desenvolvido por Abel, com conclusão eficaz de Postiga.O Braga não acusou o golo sofrido - o primeiro na temporada - e só começou a soltar-se graças ao meio campo empreendedor conduzido por Frechaut e Luís Aguiar. Enquanto houve capacidade do meio campo «leonino» para pressionar alto, as alas arsenalistas estiveram pouco em jogo, e o Sporting soube usar o "fato de macaco" quando foi necessário.O jogo teve grande intensidade, mas nem sempre foi bem jogado - muito por culpa das demasiadas paragens "promovidas" por Bruno Paixão - mas apesar de a formação arsenalista ter crescido em termos de dinâmica ofensiva, o sector defensivo do Sporting esteve irrepreensível do primeiro ao último minuto.Paulo Bento optou por mudar o ataque e com Postiga amarelado, foi o reforço dos «leões» o sacrificado, cedendo o lugar a Tiuí.

Do outro lado, Jesus apostou tudo para tentar chegar a igualdade - entradas de Renteria e Mossoró - mas o Braga nunca conseguiu colocar Patrício verdadeiramente à prova. O Sporting detinha menor capacidade para sair a jogar e com pouco discernimento para aproveitar o balanceamento ofensivo dos arsenalistas, foi necessário estancar o assédio bracarense com a entrada de Miguel Veloso. À entrada para o último quarto hora de jogo, o Sporting equilibrou as operações na zona intermediária, e a oito minutos do fim teve excelente ocasião para "matar" o jogo, mas Tiuí, primeiro, e Moutinho, depois, não acertaram com as redes de Eduardo. Valeu João Pereira – expulso pela pisadela em Moutinho – a facilitar a tarefa aos «leões» que saíram de Braga com três precisos pontos e na frente do campeonato, ex-aequo com o Nacional.

Liga Sagres - 2ª jornada

Estádio AXA, em Braga 2008-09-01

Árbitro: Bruno Paixão (Setúbal)Árbitros assistentes: Sérgio Lacroix e Paulo Ramos

Ao intervalo: 0-1

SP. BRAGA: Eduardo; João Pereira, Rodriguez, Moisés, Evaldo, Alan, Frechaut, Luís Aguiar (Mossoró, 66 m), Matheus (César Peixoto, 56 m), Meyong (Renteria, 66 m) e Linz. Treinador: Jorge JesusSuplentes não utilizados: Kieszek, Paulo César, Stélvio e André Leone. Disciplina: Cartão amarelo para Luís Aguiar (4 m), Evaldo (22 m), João Pereira (62 m) e César Peixoto (87 m).Cartão vermelho para João Pereira (83 m).

SPORTING: Rui Patrício; Abel, Caneira, Tonel, Grimi, Rochemback, João Moutinho, Romagnoli (Miguel Veloso, 67 m), Izmailov, Hélder Postiga (Tiuí, 55 m) e Derlei (Vukcevic, 85 m).Treinador: Paulo Bento.Disciplina: Cartão amarelo para Grimi (9 m), Hélder Postiga (36 m), João Moutinho (53 m), Miguel Veloso (81 m).Suplentes não utilizados: Tiago, Daniel Carriço, Ronny e Pereirinha.Golo: Hélder Postiga (3 m).

FONTE: http://www.sporting.pt/

REAL MADRID 5 - SPORTING 3





2.ª parte mostrou a qualidade «leonina»

A visita do Sporting ao recinto do Real Madrid para disputar o troféu Santiago Barnabéu transformou-se num jogo com muitos golos (5-3, para os espanhóis), e onde os «leões» mostraram duas faces distintas. Izmailov, Yannick e Miguel Veloso marcaram pelos «verdes e brancos».

Paulo Bento aproveitou o duro teste frente ao campeão espanhol para aquilatar do actual momento de alguns dos jogadores menos utilizados neste início de época, apostando, entre outros, na entrada dos brasileiros Pedro Silva e Ronny para as laterais, de Pereirinha e Miguel Veloso para o meio-campo e a entrega do ataque a Hélder Postiga e Rodrigo Tiuí. O resultado foi que, após um primeiro quarto de hora muito equilibrado, o Real Madrid – sempre em 4x3x3 com transições defesa-ataque a um toque no triângulo do meio-campo até conseguir a superioridade numérica, no último terço do terreno, nos corredores laterais – fez três golos nos seus três primeiros remates: pelo argentino Higuaín, com dois remates de fino recorte, e por Robben, num remate rasteiro de fora da área, todos sem hipótese para Rui Patrício. Goleados pela eficácia espanhola, os jogadores «leoninos» partiram para a sua melhor fase na primeira parte, com Izmailov a reduzir (30 m), num remate de pé direito, rasteiro e cruzado, e criando mais duas oportunidades de perigo, mas uma grande penalidade «inventada» a Rochemback, concretizada pelo «eterno» Raul, quando o médio «leonino» tinha a bola em seu poder e se livrava da oposição e um autogolo de Pedro Silva, deixou o «score», ao intervalo nuns assustadores 5-1, desfavoráveis à equipa de Paulo Bento.

Na segunda parte, Paulo Bento colocou em campo Tiago, Abel, Tonel, João Moutinho, Yannick Djaló, ao intervalo, e Adrien, Romagnoli, depois, e tudo foi diferente. A equipa «verde e branca» – perante um adversário que fez igualmente nove alterações, numa oportunidade para todos procurarem «mostrar serviço» ao treinador merengue e encontrarem um espaço no «onze» madrilista – «pegou» no jogo e mostrou a sua qualidade colectiva, atitude competitiva e a razão pela qual além de várias taças domésticas, se qualificou, pela terceira vez consecutiva para a fase de grupos da próxima edição da Liga dos Campeões. Este crescimento materializou-se nos golos de Yannick, num «míssil» já dentro da área após assistência de Moutinho, e de Miguel Veloso, num livre directo, mas até deveriam ter sido mais, depois das oportunidades desperdiçadas por Postiga (83 e 86 m), Yannick (64 e 87 m), João Moutinho (63 m) e
Abel (80 m).

Em suma, perdeu-se a oportunidade do Sporting ser o primeiro clube português a levantar o Troféu Santiago Barnabéu, mas este teste serviu para Paulo Bento tirar várias ilações relativas ao momento dos seus jogadores, entre os quais Izmailov, Yannick e Tonel, os melhores sportinguistas na noite de quarta-feira.

FICHA DE JOGO

Real Madrid, 5
Dudek (Codina, 45 m); Sérgio Ramos (Torres, 45 m), Pepe (Canavarro, 45 m), Metzelder (Javi Garcia, 45 m) e Marcelo (Heinze, 76 m); Gago (Diarra, 64 m), Guti (De la Red, 45 m) e Van der Vaart; Higuaín, Robben (Drenthe, 45 m) e Raul (Van Niltelrooy, 45 m). Treinador: Bern Schuster. Disciplina: cartão amarelo a Cannavarro (89 m). Golos: Higuaín (15 e 23 m), Robben (18 m), Raul (39 m, g.p.) e Pedro Silva (42 m, na própria baliza).

SPORTING, 3
Rui Patrício (Tiago, 45 m); Pedro Silva (Abel, 45 m), Polga, Caneira e Ronny (Tonel, 45 m); Miguel Veloso, Rochemback (João Moutinho, 45 m), Izmailov (Adrien Silva, 75 m) e Bruno Pereirinha (Romagnoli, 60 m); Hélder Postiga e Rodrigo Tiuí (Yannick Djaló, 45 m). Treinador: Paulo Bento. Suplentes não utilizados: Vukcevic e Daniel Carriço. Disciplina: cartões amarelos a Tonel (74 m) e Abel (86 m). Golos: Izmailov (30 m), Yannick Djaló (73 m) e Miguel Veloso (90 m).

Futebol – Troféu Santiago Barnabéu
Estádio Santiago Barnabéu (Madrid, Espanha) 2008-08-27
Resultado ao intervalo: 5-1

FONTE: http://www.sporting.pt/

SPORTING 3 - TROFENSE 1




Entrada de leão

O Sporting entrou na Liga Sagres 2008/2009 à procura do título que lhe foge desde 2001/2002. E não podia ter começado de melhor maneira. Os «leões» mostraram um bom futebol, defenderam bem e, acima de tudo, garantiram os três pontos.

Para apadrinhar a estreia da equipa da Trofa no primeiro escalão do futebol nacional, Paulo Bento optou por manter praticamente o mesmo «onze» utilizado na vitória da Supertaça, fazendo apenas entrar Grimi para o lugar de Marco Caneira.

O Sporting entrou bem no jogo e, logo aos quatro minutos, na sequência de um canto apontado pelo Rochemback, Tonel saltou mais alto que os defesas contrários e… estava feito o primeiro golo «verde e branco» na Liga Sagres 2008/2009.

Após o tento inaugural, os «leões» não adormeceram e continuaram à procura do golo, não deixando a equipa nortenha acercar-se com perigo da baliza de Rui Patrício e, à passagem do minuto 23 dilataram a vantagem. «Roca» bateu o livre que Paulo Lopes defendeu para a frente, Yannick ainda rematou à barra e, na recarga, Izmailov cabeceou para o fundo das redes adversárias. Apenas cinco minutos depois, Djaló fez o 3-0, de calcanhar, depois de um passe, na linha de fundo, de Romagnoli.

Até ao intervalo, os «leões» controlaram os acontecimentos.

A segunda parte começou como a primeira; com o Sporting à procura do golo, mas foi o Trofense quem marcou, da marca de grande penalidade, depois de uma falta de Polga (valeu-lhe o cartão vermelho directo) que só o árbitro assistente viu ter sido dentro da área «leonina».

Mesmo a jogar com dez unidades, o Sporting continuou à procura de alargar a vantagem, através de ataques rápidos e passes longos para os homens do ataque, sempre com o cuidado de não facilitar na defesa.
O jogo terminou com os «leões» a garantirem os primeiros três pontos da época.

1.º Jornada da Liga Sagres
Local: Estádio José Alvalade
Árbitro: Paulo Baptista (Portalegre)
Árbitros assistentes: Luís Tavares e Luís Ramos.
Resultado ao intervalo: 3-0


SPORTING: Rui Patrício, Abel, Tonel, Polga, Grimi, João Moutinho, Rochemback, Izmailov, Romagnoli (Caneira, 60 m), Derlei (Postiga) e Yannick Djaló (Pereirinha, 80 m).
Treinador: Paulo Bento.
Suplentes: Tiago, Carriço, Pedro Silva e Tiuí

Trofense: Paulo Lopes, Areias (Zé Carlos, 39 m), Valdomiro, Milton do Ó, Zamorano, Delfim, Pinheiro (Rui Borges, 69 m), Mércio, Ricardo Nascimento, Hélder Barbosa e Lipatin (Edu Sousa, 45 m).
Treinador: António Conceição.
Suplentes não utilizados: Vítor, Edu, Tiago Pinto e Miguel Ângelo.

Disciplina: cartão amarelo a Abel (59 m); Areias (15 m), Milton do Ó (22 m), Valdomiro (50 m), Ricardo Nascimento (72 m), Delfim (79 m); cartão vermelho a Polga (58 m)

Golos: Tonel (4 m), Izmailov (23), Djaló (28); Pinheiro (60).


PORTO 0 - SPORTING 2




Aí vão 4!

Os «leões» alcançaram o quarto troféu em duas épocas, desta feita também frente ao FC Porto, o adversário que os pupilos de Paulo Bento derrotaram por três vezes nas quatro vitórias alcançadas – duas Supertaças e duas Taças de Portugal.Numa noite em que o técnico «verde e branco» utilizou apenas dois reforços – Caneira e Rochemback – no onze, o Sporting entrou bem na partida, sendo dono e senhor dos primeiros 10 minutos do encontro.

O FC Porto, a partir dessa altura, conseguiu equilibrar, fazendo com o que o jogo fosse disputado com bom ritmo, com bons momentos de futebol e com ambas as equipas a criarem ocasiões para chegarem ao golo. Foi dos pés de Rochemback que surgiu a primeira ocasião de perigo para a baliza defendida por Helton, através da marcação de um livre directo que passou ligeiramente ao lado. O FC Porto respondeu, com Lucho a rematar contra o poste esquerdo da baliza de Rui Patrício. Os «leões» mostraram-se mais esclarecidos nas transições e aos 45 minutos viram o seu esforço recompensado com o primeiro golo a ser apontado por Yannick Djaló. O avançado «verde e branco» foi «servido» por Romagnoli e não se fez rogado, marcando o primeiro da partida.

A segunda parte terminou como começou, ou seja, com Yannick a ter oportunidade para aumentar a vantagem, mas isolado frente a Helton permitiu a intervenção do guardião «azul e branco». Mas, os adeptos do Sporting que estiveram no Estádio do Algarve não tiveram que esperar muito para verem o tento da tranquilidade. Aos 57 minutos, Yannick bisou. Izmailov fez o passe para o avançado «leonino», Sapunaru tentou o corte, a bola ficou na posse de Yannick, que não perdoou e fechou marcador.Se o FC Porto até ao segundo golo sofrido e, sobretudo na segunda parte, tinha mostrado poucos argumentos para concretizar as oportunidades criadas, pior ficou quando aos 71 minutos viu Rui Patrício a defender uma grande penalidade apontada por Lucho. A partir desse momento só deu Sporting e Yannick ainda poderia ter chegado ao terceiro tento, mas a trave da baliza do FC Porto negou o terceiro dos «leões».


Vitória justa do Sporting, que inicia da melhor forma a época 2008/09, somando mais um troféu ao seu palmarés.


SUPERTAÇA CÂNDIDO DE OLIVEIRA

Local: Estádio Algarve
Árbitro: Carlos Xistra (Castelo Branco)

FC Porto: Helton, Sapunaru, Pedro Emanuel, Bruno Alves, Benítez, Guarín (Candeias, 69 m), Lucho González, Raul Meireles, Lisandro, Farías (Hulk, 55 m) e RodríguezTreinador: Jesualdo FerreiraSuplentes: Nuno, Fucile, Rolando, Tomás Costa e FernandoDisciplina: Cartão amarelo a Benítez (28 m) e a Rodríguez (91 m)

SPORTING: Rui Patrício, Abel, Tonel, Polga, Caneira, João Moutinho, Rochemback, Izmailov, Romagnoli (Miguel Veloso, 67 m), Derlei (Postiga, 81 m) e Yannick Djaló (Pereirinha, 90 m)Treinador: Paulo BentoSuplentes: Tiago, Grimi, Adrien e Tiuí Disciplina: Cartão amarelo a Polga (10 m), Caneira (71 m) e Miguel Veloso (91 m)Golos: Yannick Djaló (45 e 57 m)